Terça-feira, 22 de Junho de 2021
READAPTAÇÃO EMPRESARIAL

Profissão entregador: investimento em delivery tira manauaras do sufoco na pandemia

Modalidade de entrega em domicílio ‘salva’ estabelecimentos, faz faturamento crescer mesmo em época de pandemia e dá sustento a diversos trabalhadores na pandemia



nwdn_file_temp_1610135104597_50F349A2-6C36-41C5-ACD8-6DEF101B32D7.jpg O entregador Adriano Oliveira viu a quantidade de pedidos aumentar com o decreto de fechamento do comércio não essencial. Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal
10/01/2021 às 01:00

Na contramão dos problemas advindos da pandemia e, mais recentemente, do decreto estadual que fechou por 15 dias o comércio não essencial no Amazonas, alguns empresários readaptaram seus funcionamentos às entregas em domicílio e viram o que seria uma crise se transformar em oportunidade. A mudança também traz um outro benefício: cresce na capital amazonense a oportunidade de emprego para os entregadores, fundamentais para o serviço de delivery.

O empresário Leandro Soares, que junto com sua mãe possui uma churrascaria no bairro de Educandos, na Zona Sul de Manaus, explica que o processo de transformação do restaurante ao modelo exclusivo de entregas foi complicado e demorado.



“No pico da pandemia, em meados de Abril e Maio, nós sofremos bastante para nos adaptar inteiramente ao delivery de forma exclusiva, mas depois de um tempo fomos começando a pegar o estilo do negócio e começando a conquistar um público em específico, isso foi a nossa salvação. Foi o jeito que encontramos para poder continuar pagando as contas”, disse.

Leandro afirma que com a decisão judicial voltando a suspender as atividades, eles logo começaram a investir novamente no setor de entrega.

“Quando soubemos que teríamos que fechar, ficamos bem preocupados novamente, mas já sabíamos o que fazer, era logo começar com o serviço de embalar marmitas e entregar. Não paramos em momento algum, o que tem dado certo, pois voltamos novamente a relação com os nossos clientes de deixar a refeição até a casa deles. Hoje começou a aumentar esses pedidos de novo”, revelou.

Aumento no faturamento

Com o isolamento social, os bares não ficaram de fora do decreto. Para este setor, as vendas online de bebidas tiveram também um aumento significativo durante a quarentena. A mudança de hábito do consumidor elevou o volume de pedidos e de bebidas em Manaus.

É o caso de Evandro da Silva, que tem um Delivery de Bebidas online no bairro da Compensa, Zona Oeste de Manaus. Segundo ele, no pico da pandemia, o faturamento mensal de seu bar/distribuidora era de R$ 12 mil antes da pandemia, após o mês de Maio saltou para quase R$ 48 mil.


Evandro (de vermelho) também relatou aumento no faturamento durante pandemia. Foto: Arquivo Pessoal/Evandro da Silva

"Foi um pico que nunca tinha visto, apesar do momento que vivemos, estava tudo fechado, não tinha bares e festas abertas, as pessoas estavam em casa, e para curtir o final de semana, muitos clientes em 2020 faziam pedido de bebidas, eu dobrei o número de entregadores da minha empresa nesse momento", afirmou o fundador da Distribuidora.

Profissão entregador

Um dos elementos mais importantes nessa pandemia são os entregadores, que fazem o percurso que as outras pessoas não podem. Atualmente, entregadores mais experientes da capital amazonense afirmam que quadruplicou na cidade o número de homens e mulheres que encontraram nos serviços de entrega de aplicativos, uma maneira de ganhar uma renda extra, ou até mesmo o orçamento familiar do mês.

Para o entregador Adriano Oliveira os pedidos aumentaram com o último decreto publicado pelo Governo do Estado, segundo ele, nos últimos dias não há horário de pico, pois o fluxo é intenso desde as primeiras horas do dia.

“Eu começo a trabalhar às 10h da manhã, começando com as entregas de almoço. Eu ligo o aplicativo e já aparecem várias entregas para fazer. Em média, por dia, eu tenho feito mais de 30 entregas. Antes do decreto, esse número de entregas que eu fazia era bem menor. O serviço voltou a crescer muito e tem sido benéfico, apesar do momento que enfrentamos”, avalia o motoboy.

Antecipação à crise

Segundo a economista Denise Kassama, quem conseguiu aplicar o delivery no seu negócio, sofreu menos nessa pandemia.

“Basicamente todas as atividades econômicas desde março, que trabalhavam com atendimento ao público ficaram prejudicadas e precisaram buscar alternativas para dar continuidade as atividades. Economicamente, os primeiros estabelecimentos que aderiram a modalidade de delivery foram os que sofreram menos na pandemia em comparação a outros setores que não podiam nem atender a demanda de seu público.” Afirmou a economista.

A especialista ainda analisa que apesar dessa nova forma de comércio, ela não impediu que muitas pessoas ficassem desempregadas. 
 
“Deliverys e Drive-Thru foi uma maneira que segurou as despesas básicas dos comerciantes e garantiu a manutenção das micro empresas, mas não necessariamente a dos empregos, pois apesar dessa atividade ter crescido, muitos perderam seus empregos e lutam para voltar ao mercado de trabalho” analisou a especialista.

News arquipo goes 2c317e75 17b0 4df4 8ca8 d44839069971
Repórter do acritica.com
Jornalista formado pelo Centro Universitário do Norte (Uninorte), natural do município de Coari-AM

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.