Domingo, 29 de Março de 2020
Iniciativa

Gasolina a R$ 2,68 leva motoristas a formarem grande fila em posto de Manaus

Posto na Zona Centro-Sul amanheceu com uma fila de carros que dobra um quarteirão. Combustível está sendo vendido com valor ‘sem impostos’



0AF4B714-C28E-447B-B031-7B8E6DA7E799_342B8036-1B9B-4524-9CE6-D49A5AE8DF96.jpeg Foto: Cley Medeiros
14/02/2020 às 07:45

Dezenas de motoristas se aglomeram em uma fila que começou a ser formada ainda nas primeiras horas desta sexta-feira (14), para comprar gasolina ao preço de R$ 2,68. Ação que derruba pela metade o habitual valor pago pelo combustível é liderado por ativistas do “Amazonas mais, Menos Impostos”.

“Ouvi dizer pela internet, mas quando o santo é bom demais a gente desconfia. Então meu filho confirmou que seria hoje, e decidi garantir”, conta o autônomo Robert Alencar Vieira, 43. 



Ele chegou por volta das 5h ao local da ação, situado em um posto na Av. Valério Botelho de Andrade, bairro São Francisco, Zona Centro-Sul, e é o sexto motorista na extensa fila de carros.

De acordo com os organizadores do dia da ‘gasolina sem impostos’, devem ser vendidos 4 mil litros ao custo de R$ 2,68. Os motoristas podem abastecer até 10 litros por carro. 

Artur Fonseca, presidente do Instituto Ajuricaba, afirma que o objetivo da ação é conscientizar a população de que a principal razão do alto preço dos combustíveis é a grande alíquota de impostos estaduais e federais

"Atualmente cerca de 44% da gasolina é formada por tributos, e isso onera principalmente o bolso dos mais pobres", afirma Fonseca. 

"Nosso objetivo é que a população de Manaus saiba o quanto economizaria caso o peso dos impostos no preço da gasolina não fosse tão grande", afirmou Viviane Santo, coordenadora regional do Students for Liberty Brasil, um dos movimentos que compõe a realização do ato de protesto.

ICMS

O Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) compõe cerca de 25% do valor da gasolina. O tributo vem sendo alvo de críticas desde sua criação em 1989. Este ano o debate intensificou no início de fevereiro, quando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou zerar impostos federais se os governadores acabassem com o ICMS, que só no Amazonas rendeu mais de R$ 10 bilhões aos cofres públicos somente no último ano, de acordo com dados da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz-AM).

No Amazonas, o governador Wilson Lima (PSC) sinalizou apoiar uma possível redução na cobrança do ICMS, durante a inauguração do Centro de Tempo Integral (Ceti) Maria Eva dos Santos, na sexta-feira, em Presidente Figueiredo, município distante 100 quilômetros de Manaus. 

Na ocasião, Wilson ressaltou que, caso se concretize a redução, uma avaliação técnica mais profunda deve ser feita antes de qualquer ação do governo. 

Em entrevista ao A Crítica, o deputado Estadual Serafim Corrêa (PSB), argumentou que as contas do Estado ‘quebrariam’, caso o fim da cobrança do imposto se tornasse realidade

No início desta semana, Jair Bolsonaro indicou que o debate sobre a redução de impostos deve acontecer durante a Reforma Tributária, marcado para acontecer ainda no primeiro semestre no Conregresso, de acordo com o presidente.



 

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.