Sexta-feira, 27 de Novembro de 2020
PROCESSO

Caso Flávio: juiz diz que laudo da perícia reforçam investigações

Documento de perícia feita em novembro do ano passado chegou à Justiça esta semana e revela detalhes de como engenheiro foi assassinado



casofl_7C36A336-742C-4DE7-B01F-0FF3F64296CD.jpg
23/10/2020 às 18:28

O juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Celso de Paula, que está presidindo o processo  do assassinato do engenheiro Flavio Rodrigues, ocorrido no dia 29 de setembro do ano passado, disse que o laudo da reprodução e simulação de como ocorreu o caso reforça as informações que foram coletadas durante o processo investigatório, por se tratar de uma prova técnica considerada irrefutável.

De acordo com o magistrado, o processo está na fase de instrução  aguardando  que todos os réus Maic Parede, os irmãos Alejandro e Paola Valeiko  apresentem as suas defesas. Três deles já fizeram, e a audiência de instrução processual está marcada para novembro.



A simulação foi realizada no dia 17 de novembro do ano passado por peritos do Departamento de Polícia Técnico e Científica (DPTC), e o laudo, com 61 páginas, chegou à Justiça nesta semana assinado pelos peritos Mahatma Araujo, Chistian André Ferreira e Bráulio Pedrosa.

O laudo dá destaque para  a o meio cruel utilizado pelos assassinos do engenheiro. Flavio, de acordo com a perícia, morreu no local onde o seu corpo foi encontrado. E segundo o laudo, ainda estava vivo quando foi submetido à violenta tortura por seus algozes.

Conforme o laudo, o engenheiro sofreu múltiplas agressões físicas  com uso de instrumento rígido na região da cabeça. Ele também foi sufocado, o que o impediu de respirar e de pedir socorro - o que possivelmente ocorreu ainda na casa 179 da rua Carlota Joaquina, condomínio Passaredo, bairro Tarumã, onde residia um dos réus do processo: o enteado do prefeito Arthur Neto, Alejandro  Valeiko Molina

Conforme o laudo, depois de torturado e ferido a facadas  foi colocado no banco traseiro de um veículo Corolla - que era de uso da Prefeitura de Manaus -   e levado para um terreno baldio da avenida Tarumã. Lá, segundo a perícia, ele foi arrastado por um terreno de superfície rígida e áspera onde acabou morrendo. No local moram encontradas as peças do vestuário da vítima, como  camiseta e bermuda.

O engenheiro Flavio Rodrigues foi assassinado depois de ter participado de uma festa na casa de Alejandro. Na residência, que já tinha sido lavada antes da chegada da perícia, foram coletadas amostras de sangue de Flavio. O corpo da vítima apresentava, além das perfurações de faça, escoriações e hematomas principalmente na área da cabeça.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.