Segunda-feira, 24 de Junho de 2019
QUADRILHA

Quadrilha especializada em vender terrenos de terceiros com documentos falsos é presa

O bando vinha agindo em Manaus desde janeiro. A estimativa é que eles tenham lucrado aproximadamente R$ 500 mil com os golpes



bcbe3138-5ecf-4621-b394-dd10ef9f860e_19E23E58-1280-4315-87B7-659FF4BD1F9C.jpg Foto: Jander Robson
21/03/2019 às 11:29

A Polícia Civil prendeu na manhã desta quarta-feira (21), em Manaus, 12 pessoas suspeitas de integrarem uma quadrilha de estelionatários especializada em vender terrenos de terceiros usando documentos falsos. As prisões aconteceram durante a Operação Órbis.

De acordo com o delegado Rafael Alemand, titular da Seccional Sul, o bando vinha agindo em Manaus desde janeiro. A estimativa é que eles tenham lucrado aproximadamente R$ 500 mil com os golpes.

Pelo menos cinco vítimas já haviam procurado a polícia para denunciar os criminosos, entre elas o militar Renan Alves, de 43 anos, que perdeu R$ 50 mil. Ele disse ter visto o anúncio da venda de um terreno no aplicativo OLX, entrou em contato com os anunciantes e marcou um encontro. Com documentos falsos, o bando efetuou a venda do suposto terreno à vítima em um cartório da cidade. O golpe só foi descoberto quando a vítima limpava a propriedade e o verdadeiro dono apareceu.

O bando é formado por Aladio Magalhães da Silva, Aldo Cesar da Costa Almeida, Andrea Souza Araújo, Antônio Gilmar Leão, Débora Ferreira da Silva, Fábio Júnior de Souza Lima, Gigiilane Fernandes, Janaína de Sousa Barão, Maria Neusa de Souza, Obama Benaion, Rafaela Barista e Sandra Zélia de Jesus.

De acordo com o delegado Rafael Alemand, o bando era comandado por Fábio Júnior que já foi preso outras vezes pelo mesmo crime. Os demais integrantes eram membros da família dele.

As prisões ocorreram em cumprimento de mandados de prisões. Eles foram incitados pelos crimes de estelionato, organização criminosa e falsificação de documentos públicos falsos.

OLX afirma que não teve acesso a detalhes do caso

Por meio de nota enviada pela assessoria de imprensa, a OLX lamenta o ocorrido e afirma que não teve acesso a detalhes deste caso. Segundo a empresa, por isso, não foi possível investigar o caso ou tomar as devidas providências.

"A  atividade da empresa consiste na disponibilização de espaço para que usuários possam anunciar e encontrar produtos e serviços. Diariamente, cerca de 500 mil novos anúncios são inseridos na plataforma. Toda negociação é realizada fora do ambiente do site, portanto, a empresa não faz a intermediação ou participa de qualquer forma das transações, que são feitas diretamente entre os usuários. A categoria Imóveis foi criada para auxiliar as pessoas a comprar ou alugar um imóvel, de forma simples, fácil e democrática. Porém, infelizmente, algumas vezes as ferramentas disponíveis no mercado são utilizadas por terceiros de má índole. A OLX repudia este tipo de atitude, pois ela vai contra os Termos e Condições de Uso do site", diz trecho do comunciado.

Na nota, a OLX também faz uma série de recomendações aos usuários da plataforma, entre elas desconfiar de anúncios que estão bem mais baratos que os demais. "Existe um padrão de preço para a região. Pesquise a região que deseja na OLX e compare os valores", aconselha a empresa.

"Vale lembrar que a OLX também disponibiliza um botão de denúncia em todos os seus anúncios, possibilitando que qualquer pessoa denuncie eventuais práticas irregulares ou conteúdos indevidos. Nestes casos, a empresa consegue deletar o anúncio e banir o usuário da plataforma. A OLX reforça que está sempre à disposição das autoridades para colaborar no que for necessário para a apuração dos fatos", finaliza.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.