Quinta-feira, 24 de Junho de 2021
Preocupação

'Espero que tenham bom senso', afirma vice-presidente do Fast

Hugo Ribeiro é contra a realização de competições durante período de calamidade pública no Amazonas. Clube tem partida válida pela Copa Verde, contra o Independente (PA), no próximo dia 20



Hugo_79D6CD69-1973-4897-B519-81820C273B89.jpeg Foto: João Normando
14/01/2021 às 17:20

O Amazonas passa por uma vertiginosa segunda onda de contágio da Covid-19. Paralelo a isso, a preparação dos clubes amazonenses seguem - parcialmente - a todo vapor, com diretores “no mercado” em busca de reforços para cumprir os calendários de competições.

Recém-eliminado do Brasileirão - Série D e prestes a estrear na Copa Verde, o Fast Clube segue tentando - a duras penas - segurar seus principais atletas e se reforçar, mas esbarra no medo que a pandemia vem impondo sobre os jogadores. Ao A Crítica, o vice-presidente do Fast, Hugo Ribeiro, explicou que a renovação de alguns segue comprometida, sendo um dos motivos o alto ritmo de contágio do coronavírus no Estado.

“Vamos conversar com alguns. Outros, infelizmente, devem ir embora. Estamos avaliando nomes, porém, estamos no meio de uma pandemia. Muitos atletas estão receosos em jogar aqui nesse momento”, explicou o mandatário.

Além das saídas de Spice, Márcio Passos, Ronan e Caíque - que estavam no clube por empréstimo -, outros quatro jogadores que estavam no Rolo Compressor já foram anunciados por outras equipes. Com exceção do goleiro Bruno Saul - que assinou com o Clipper -, os outros atletas eram titulares. O lateral-esquerdo Ítalo foi para o ASA (AL), o meia Janeudo assinou com o Aimoré (RS) e o meia-atacante Charles é o novo reforço do Lagarto (SE). 

Bom Senso

Hugo ainda se mostrou preocupado quanto a realização das competições no Estado durante esse período de calamidade pública, afirmando que ainda que haja calendário para competir, o clube se coloca contra a realização das partidas, incluindo o duelo contra o Independente (PA), pela Copa Verde, que está marcado para o próximo dia 20, na Arena da Amazônia.

“Tendo em vista esse momento vivido, o Fast é contra a realização de partidas de futebol em nosso Estado. A situação do Amazonas é calamitosa, de conhecimento mundial. Porém, temos que aguardar um posicionamento do Governo do Estado ou da CBF no que pertine às partidas da Copa Verde. No que concerne ao campeonato estadual, também dependemos de uma decisão do Governo e da federação (FAF). Espero que tenham bom senso, pois a situação envolve o direito fundamental à vida, que está acima de qualquer outro”, disse o dirigente, explicando que os clubes devem expor seus posicionamentos em uma reunião com a Federação Amazonense de Futebol, que ainda deverá ser agendada.

“Estamos aguardando uma reunião da federação, que deve ser marcada ainda esta semana, para expormos nosso posicionamento. Inclusive, o Independente (PA) solicitou o adiamento da partida da Copa Verde, em virtude da situação de Manaus. Até onde sabemos, a CBF ainda não se manifestou”, finalizou Hugo.

Além da Copa Verde 2020 - que se inicia este ano devido ao atraso no calendário do futebol nacional, causado pela pandemia -, o Fast disputa o Barezão 2020 e 2021, programados para acontecerem em fevereiro. Caso alcance a final do Estadual 2020, o Tricolor de Aço terá mais duas competições no ano: a Copa do Brasil e o Brasileirão - Série D.



João Felipe

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.