Sábado, 06 de Junho de 2020
CARNAVAL

Bolsonaro é alfinetado em desfile de escolas de samba no Rio

O ator e comediante Marcelo Adnet estrelou o desfile da São Clemente. Vestido com terno azul brilhante e gravata verde-amarela, ele zombou de presidente ao fazer flexões e gestos como se estivesse disparando uma arma imaginária



adnet_0104A892-BC56-4890-86D9-6C9A1DB835F3.JPG Foto: Ricardo Moraes/Reuters
25/02/2020 às 15:04

Escolas de samba do Rio de Janeiro desfilaram na segunda noite de apresentações do Carnaval carioca, na segunda-feira (24), apimentando a fusão de música, dança e figurinos com cutucadas no presidente Jair Bolsonaro.

As últimas seis das 13 principais escolas de samba da cidade levaram ao Sambódromo muitos passistas e músicos vestidos com trajes coloridos, alguns com pouca roupa, em meio a enormes carros alegóricos elaborados.



Os desfiles de segunda-feira, que ocorreram até a manhã desta terça, abordaram muitos temas, entre eles o presidente Bolsonaro.

O ator e comediante Marcelo Adnet estrelou o desfile da São Clemente. Vestido com terno azul brilhante e gravata verde-amarela, ele zombou de Bolsonaro ao fazer flexões e gestos como se estivesse disparando uma arma imaginária, imitando o presidente.

O carro alegórico da São Clemente também exibia cartazes com as frases “Tá ok”, muito usada por Bolsonaro, e “a culpa é do Leonardo DiCaprio”, uma referência a Bolsonaro culpando o ator de Hollywood pelos incêndios na Floresta Amazônica no ano passado.

Desde a posse de Bolsonaro em janeiro de 2019, os brasileiros estão fortemente divididos entre os que o apoiam, creditando a ele uma rápida queda na criminalidade e melhora na economia, e os que o criticam, denunciando seu racismo, sexismo e postura em relação ao meio ambiente.

No domingo (23), a famosa escola de samba Mangueira abordou o fervor religioso de direita e o aumento da violência policial, principalmente no Rio, nos primeiros 14 meses de Bolsonaro no poder.

O samba-enredo da Mangueira incluía trecho que dizia “Não tem futuro sem partilha nem Messias de arma na mão”, uma referência a Bolsonaro, cujo nome do meio é ‘Messias’ e que defende a ampliação da posse de armas.

Os figurinos, carros alegóricos e coreografias das escolas de samba carioca podem mudar, mas são sempre brilhantes e espetaculares, custando milhões de reais a cada ano.

A apuração com as notas dos jurados ocorre na quarta-feira de cinzas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.