Sábado, 23 de Outubro de 2021
Micromobilidade

Manaus recebe primeira fábrica de patinetes elétricos construída fora do sudeste asiático

Davinci Micromobilidade já está em operação na cidade há cerca de um ano e pretende lançar patinetes elétricos até o final de setembro



Eduardo_Musa__LorenzoScavone_DaVinci_jun_21-3605__1__89B1AF4D-BEEE-4978-BFD9-966E66B51477.jpg Foto: Divulgação
09/08/2021 às 15:11

Com o isolamento social, novos hábitos tiveram que ser empregados na rotina de milhões de brasileiros, dentre eles mudanças de locomoção. Muitas pessoas abandonaram os carros e migraram para alternativas de duas rodas, mais individualistas. Essa mudança refletiu diretamente na indústria. De acordo com um balanço feito pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), a produção no Polo Industrial de Manaus chegou a 568.863 unidades no primeiro semestre de 2021, o que corresponde ao aumento de 45% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Com esse aumento na utilização de meios de transporte individuais, o conceito da micromobilidade tem ganhado força, principalmente nas capitais. Essa alternativa de locomoção tem como base a utilização de transportes por meio da força humana, ou seja, pequenos veículos com motores de potência baixa que são utilizados para locomoções rápidas em distâncias curtas.
Esse tipo de transporte é uma alternativa para as pessoas que já não se sentem confortáveis passando muitas horas em ônibus, metrôs ou carros por conta da lotação e engarrafamento.



Um dos atrativos da micromobilidade é a pouca burocracia, diferente dos meios de locomoção tradicionais, os patinetes elétricos, bicicletas, patins e similares incluídos na listagem de veículos de pequeno porte, não exigem documento para que sejam utilizados nas ruas, como a CNH.


Apostando nesse modelo de cidade em 15 minutos, a fabricante Davinci Micromobilidade, que  já está em operação em Manaus há cerca de um ano, pretende lançar patinetes elétricos até o final de setembro.

Manaus foi escolhida como sede da nova fábrica de patinetes elétricos para mobilidade urbana, sendo a primeira fábrica construída fora do sudeste asiático e que é completamente focada em tornar as viagens mais práticas e rápidas, apostando em um universo pós-pandemia: com menos carros nas ruas. Os patinetes terão o preço médio de 7 mil reais e estarão disponíveis para compra a partir de setembro.

A Davinci Micromobilidade, apesar de ser nova no mercado, possui líderes já conhecidos, os sócios Eduardo Musa, James Scavone e João Ludgero. O trio possui experiência no mercado de mobilidade devido ao histórico de também terem feito parte de uma das primeiras fábricas de bicicletas do Brasil, instalada na Zona Franca de Manaus.

Segundo Eduardo, essa experiência no PIM fez toda a diferença na escolha de abrigar sua nova empresa no estado. “Eu sempre fui um defensor da Zona Franca, já tive fábrica no polo durante muitos anos e estou feliz de estar voltando com um projeto industrial aprovado pela Suframa”.

O investimento nesse novo modelo de locomoção vem de uma análise do mundo pós-pandemia mais ágil, em que as pessoas precisam sair poucas vezes, seja para ir ao trabalho,comprar pequenos itens em um mercado próximo de sua casa ou academia e não querem ter que lidar com a dor de cabeça de pensar em onde estacionar, se o caminho estará engarrafado, no preço da gasolina e etc.

 

MOBILIDADE REQUER INVESTIMENTOS

Apesar do número de usuários de meios alternativos ter crescido em Manaus, o espaço para a utilização segura de bicicletas, patinetes e outros meios individuais ainda é escasso. Segundo dados do Pedala Manaus, mais de 20 mil pessoas utilizam bicicleta como meio de transporte e de lazer. 
Paulo Henrique Santana Aguiar, coordenador da ONG Pedala Manaus, explica que com a pandemia várias cidades adotaram a bicicleta como meio de locomoção, e que políticas públicas foram empregadas para que houvesse espaço para esses usuários, mas que infelizmente em Manaus não houve esse movimento. 
“O setor de produção e venda de bicicleta foi o que menos sofreu com a pandemia, pois a utilização desse meio de transporte foi altamente recomendada pela OMS, o que fez com que mais pessoas procurassem não só como recreação, mas para ir trabalhar e por isso várias cidades no Brasil investiram em malha cicloviária e intermodalidade, mas Manaus ao invés disso, não fez programas de incentivo ao uso das ‘bikes’ e ainda perdeu parte da malha cicloviária após o recapeamento da Avenida das Torres.”
Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), aponta que a maioria dos deslocamentos feitos em Manaus variam de 5 a 7 quilômetros, que poderiam ser feitos de maneira rápida com os veículos individuais. 
Porém para isso, Paulo acredita que o poder público deveria investir na intermodalidade. “Não adianta só fazer ciclovias e ciclofaixas se elas não são interligadas, atualmente temos menos de 40km de extensão de estrutura cicloviária em Manaus sem interligação e distribuídas de forma inadequada.”
 Segundo o coordenador, a solução para esse problema de mobilidade seria o sistema de estações compartilhadas de bicicletas e patinetes, com postos próximos às paradas e terminais, sistema já utilizado em outras cidades pelo país. Em Manaus, entre 2017 e 2018 existiu o projeto da Prefeitura chamado “Manôbike”, que disponibiliza estações de bicicletas compartilhadas, mas que foi descontinuado por falta de utilização, segurança e investimento em políticas públicas de incentivo.


Mais de Acritica.com

23 Out
plantacao_de_satelite_001_FC7D87B9-5873-48B7-A680-276E09E7E37D.jpg

Geotecnologia apoia investigações sobre crime organizado

23/10/2021 às 19:26

O Programa Brasil M.A.I.S (Meio Ambiente Integrado e Seguro) recebeu investimento de R$ 50 milhões em recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública está sendo usada pelas secretarias de segurança pública de Amazonas, outros 14 estados e do Distrito Federal


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.