Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020
ECONOMIA

Efeito Covid-19: mercado de festas se reinventa para sobreviver à pandemia

Após crescimento e 2019, setor sofreu com o isolamento social imposto pela pandemia. Empresas de festas e decorações buscaram alternativas de amenizar prejuízos



1781335_80FF4794-63AC-4091-B43A-AD845C208063.JPG Foto: Euzivaldo Queiroz
29/06/2020 às 16:40

Após o cancelamento das colações de grau presenciais na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), há um dia da data prevista para a cerimônia oficial, o casal de engenheiros da computação Thayza Ramos e Leonardo Barros tiveram a ideia de festejar de maneira virtual.

Foi então que eles aproveitaram os pagamentos que já haviam sido efetuados ao cerimonial e decidiram fazer de casa a transmissão ao vivo do recebimento dos certificados para os seus pais.



Os dois não pouparam esforços para transformar a comemoração simples em um momento memorável. A transmissão online teve direito à beca, roupa de festas para os convidados virtuais e muitas fotos para lembrar da experiência única do conclusão da jornada acadêmica.

“Quando surgiu a nova data comunicamos os locadores e eles fizeram a entrega. Não tivemos trabalho nenhum com isso. A ideia veio em cima da hora, no início de junho mesmo, mas como já estava tudo alugado, foi bem prático”, explica Thayza.

Novas estratégias

Mas como reunir os amigos e fazer aquela festa não é recomendado por enquanto, para manter as comemorações de datas importantes e não deixar "passar em branco" aniversários, casamentos e formaturas, as empresas especializadas em festas montam estratégias para levar mais alegria aos festejos em casa.

Criar uma forma de permanecer em funcionamento foi o novo desafio para a proprietária da Manaus D’core (@manausdcore), Stefannie Rengifo, que após avaliar quais seriam os impactos da pandemia da Covid-19 nos negócios, não imaginava que seu trabalho e a renda fossem ser comprometidos por três meses.

Projeção

Com a projeção do fechamento das atividades, logo no princípio do maio, Stefannie elaborou a criação de um voucher, que permitiu o adiamento das festas planejadas até o dezembro deste ano, sem valores adicionais, o que impediu pelo menos 60% dos cancelamentos em relação a quantidade total dos clientes planejados para o primeiro semestre do ano.

Após o primeiro mês de paralisação dos serviços novas ideias surgiram, foi então que a empresa começou a fornecer pacotes de festas menores e com custos reduzidos, levando até a casa dos consumidores com toda a segurança. O mobiliário e a decoração são higienizados ao chegar a casa dos clientes, sem contato físico e com todo cuidado para levar mais alegria para as famílias mesmo em tempos difíceis de isolamento.

“Antes de entrar na porta da casa dela [cliente] seriam esterilizados os materiais e a gente conseguiria atender com a mesma qualidade e com a mesma estrutura, o mesmo pacote, que ela [cliente] havia fechado por um preço ainda menor”, esclarece.

Apesar da pausa na ampliação dos negócios prevista para este ano com a contratação e treinamento de funcionários para aumentar o número de atendimentos diários, a proprietária assegura que a demanda durante a pandemia superou as expectativas, principalmente após a divulgação dos pacotes de serviços por meio do Instagram.

Alternativas deram certo

Há sete anos no mercado de aluguel de decorações e movelaria, e há dois promovendo cursos para formação de pessoas na área com o Decora Manaus, a empresa de decoração, Analê Festas (@analefestas.am), teve que ir além do alto padrão nos cenários para olhar para novos horizontes, a partir da pandemia.

O ano de 2020 era avaliado de maneira positiva com toda a agenda fechada para março e teve a segunda quinzena para o mês 100% comprometida após o decreto de distanciamento social.

Foi então que os sócios Tanamara Cabral e Pedro Paulo criaram um novo serviço para atender os clientes. Eles montaram kits de decoração de festas com entrega e recolhimento à domicílio com preços que variam de R$ 170 a R$ 380.

Os atendimentos são realizados com toda segurança com o uso de máscara, luvas, touca e proteção nos pés, além da frequente utilização de álcool para higienizar os produtos embalados antes da entrega.

"Todas as pessoas que trabalham com evento precisaram se reiventar, inclusive nós! Tinhamos um projeto para outro ano que tivemos que adiantar para poder preencher essa baixa que tivemos no orçamento", explica Tanamara.

A empresária atribuiu a redução dos impactos da pandemia nos negócios, a diversidade das frentes de atuação do empreendimento que além dos cursos e decorações possui ainda uma marcenaria caseira (@natora_arts), para peças decorativas que está atendendo há 26 dias e teve um bom resultado apesar da crise sanitária.

Os atendimentos foram 100% para o ambiente virtual, por enquanto, estão sendo realizados por meio do whatsapp e os pagamentos por meio de transferência bancária.

News giovanna 9abef9e4 902c 428b a7c8 c97314664fb7
Repórter
Repórter de A CRÍTICA. Sempre em busca de novos aprendizados que somente uma boa história pode trazer.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.