Sábado, 22 de Fevereiro de 2020
satélites detectaram

Fumaça de incêndios florestais da Austrália chega ao Brasil, alerta Inpe

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectou avanço de nuvem de fumaça vindo da Austrália sobre o Rio Grande do Sul; MetSul também indicou avanço do fenômeno



images__37__9C523F0B-2B18-4D4E-9A22-76D994A3CAEA.jpg Foto: Divulgação / Inpe
08/01/2020 às 10:28

 A fumaça dos incêndios florestais da Austrália está se espalhando pelo Pacífico e afetando cidades da América do Sul, e pode ter chegado à Antártida, alertou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) nesta terça-feira. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectou avanço de uma nuvem de fumaça vindo da Austrália, em cidades do Rio Grande do Sul.

A fumaça dos incêndios já havia deixado o céu laranja em Auckland, na Nova Zelândia. Mas até os céus distantes do Chile, e do Brasil, ficaram cinza por causa da fumaça, e a OMM citou relatos de que o pôr do sol da capital da Argentina, Buenos Aires, ficou vermelho.



“Os incêndios geraram uma qualidade de ar perigosa, que afeta a saúde humana, em grandes cidades da Austrália, espalhando-se para a Nova Zelândia, e lançaram fumaça a milhares de quilômetros através do Pacífico até a América do Sul”, disse a porta-voz da OMM, Clare Nullis, a repórteres em Genebra.

A fumaça “provavelmente” também alcançou a Antártida, acrescentou.

As chamas, que ardem há meses na Austrália, já emitiram 400 megatoneladas de dióxido de carbono na atmosfera e produziram poluentes nocivos, informou o Copernicus, um programa de monitoramento da União Europeia, na segunda-feira.

Depósitos de fuligem já foram detectados em geleiras neo-zelandesas, o que pode acelerar o ritmo no qual estão derretendo, disse o programa.

O Inpe divulgou nessa terça-feira (7) por meio do Twitter que a fumaça alcançou o sul do Brasil.

 




 

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.