Segunda-feira, 26 de Outubro de 2020
JUSTIÇA

Flávio Bolsonaro não irá a acareação com Paulo Marinho, diz defesa

Flávio Bolsonaro e o ex-chefe de gabinete dele na Assembleia Legislativa Fabrício Queiroz são suspeitos de se apropriarem de salários de funcionários, no caso que ficou conhecido como “rachadinha”



aiyi7vvcf0ocl7jfbz1jy80zz_BE689C93-9876-4F28-BECC-BD5E707DAB7A.jpg Foto: Adriano Machado/Reuters
20/08/2020 às 18:50

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) não vai comparecer à acareação com o empresário Paulo Marinho marcada pelo Ministério Público Federal (MPF) para 21 de setembro, segundo a defesa do parlamentar, que garantiu que o filho do presidente Jair Bolsonaro segue à disposição das autoridades para participar em uma outra data.

O MPF investiga um suposto vazamento da operação Furna da Onça, em 2018, quando surgiram relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre movimentações financeiras atípicas nos gabinetes de mais de 20 parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, na época em que Flávio, filho mais velho do presidente, era deputado estadual.



Paulo Marinho disse que um delegado da Polícia Federal contou ao então deputado estadual sobre a operação antes da deflagração.

Flávio Bolsonaro e o ex-chefe de gabinete dele na Assembleia Legislativa Fabrício Queiroz são suspeitos de se apropriarem de salários de funcionários, no caso que ficou conhecido como “rachadinha”.

“Quando (o senador) for intimado, veremos disponibilidade de agenda”, disse à Reuters a advogada Luciana Pires, que representa o parlamentar. “O que informei é que no dia 21 de setembro não será possível, caso confirme esta data”, acrescentou.

Outro advogado que representa o filho do presidente, Rodrigo Roca, afirmou que uma data para a acareação será ajustada com o Ministério Público Federal.

“Não é que ele não vai participar, ele não pode nessa data e quando for notificado, vamos ajustar um horário para conciliar a agenda de parlamentar com agenda do MPF, como está na lei. Não é uma recusa de participação”, disse o advogado à Reuters.

A defesa do senador acrescentou que a prerrogativa de foro por ser parlamentar dá direito a Flávio de escolher dia, hora e local da acareação.

“O parlamentar vai decidir o dia e hora que poderá participar de uma possível acareação com o empresário Paulo Marinho, quando for intimado para esse ato processual”, disse a defesa em nota, ao destacar a prerrogativa do senador.

“Por isso, não cabe ao Ministério Público Federal decidir quando Flávio fará a acareação... A defesa reforça que o senador não se nega a participar, mas caberá a ele escolher o dia que tem a disponibilidade.”

Procurado, o MPF informou que a “acareação está marcada: dia 21 de setembro”.

O empresário Paulo Marinho, que é suplente de Flávio Bolsonaro, disse à Reuters que segue à disposição do MPF. “Estou pronto para falar quando, onde e na hora que quiser”, disse.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.