Domingo, 23 de Janeiro de 2022

Acessibilidade Digital

Como o mundo virtual pode diminuir as barreiras para a inclusão


30/09/2021 às 17:26

Muitas pessoas acham que acessibilidade se resume a rampas na entrada de edifícios, elevadores com numeração em braile ou banheiros para cadeirantes. Na verdade, a acessibilidade vai muito além da arquitetura de um local. Você já pensou em como um deficiente visual faz compras pela internet, utiliza as redes sociais ou aplicativos de transporte por exemplo? Imagine a dificuldade que uma pessoa surda ou cega tem em usar uma internet que não é desenvolvida pensando nela.

Além disso, acessibilidade digital é uma variedade de recursos que proporcionam uma navegação e interação na internet por qualquer pessoa (independente das dificuldades), sem ajuda de ninguém. Em uma web acessível, todas as pessoas conseguem entender e interpretar o conteúdo dos sites e redes sociais.

De forma mais detalhada, a cartilha Acessibilidade na Web, produzida pelo World Wide Web Consortium (W3C) Brasil, define acessibilidade na web como “a possibilidade e a condição de alcance, percepção, entendimento e interação para a utilização, a participação e a contribuição, em igualdade de oportunidades, com segurança e autonomia, em sítios e serviços disponíveis na web, por qualquer indivíduo, independentemente de sua capacidade motora, visual, auditiva, intelectual, cultural ou social, a qualquer momento, em qualquer local e em qualquer ambiente físico ou computacional e a partir de qualquer dispositivo de acesso”.

Entender a importância da acessibilidade digital em todos os âmbitos da nossa vida é compreender que, assim como um cadeirante precisa de um elevador em um prédio com escadas, os surdos precisam de acessibilidade em Língua de Sinais para navegar nos sites. Como a Libras (a Língua Brasileira de Sinais) é a primeira língua da comunidade surda, a maioria dos surdos não compreende o português e depende da tradução para Libras nos textos e vídeos para poder usar os sites. E assim funciona para as pessoas com deficiência física, intelectual, visual, etc. que também precisam de acessibilidade digital para usufruir da internet.

Três razões para você pensar e aplicar a acessibilidade digital 

1. Empatia:

Entender o outro, mesmo sem viver o que ele vive. Acessibilidade digital tem a ver com muita coisa, mas sem dúvida, a mais primordial delas é a empatia. Quando a gente fala de uma internet mais acessível a gente está falando sobre empatia. 

2. Levar sua mensagem a todos!

Tem muita gente que não tem acesso ou não compreende coisas na internet que são simples para a maioria de nós. A sua empresa ou o seu Blog hoje não conseguem alcançar mais de 10 milhões de pessoas – esse é o número de surdos hoje no Brasil. Você sabia que a maioria deles não compreende o português? Cerca de 80% dos surdos do mundo são analfabetos nas línguas escritas. Estamos falando de 5% da população brasileira, que você não consegue atingir com a sua mensagem. Isso porque não estamos contando as pessoas cegas que não possuem um leitor no computador ou pessoas com dislexia severa. Hoje, 25% da população brasileira possui algum tipo de deficiência.

3. Falar com quem ninguém fala!

No Brasil, pouquíssimos sites são acessíveis – só 1% do total. Isso faz com que as poucas organizações que se preocupam com a inclusão e investem e acessibilidade digital saiam na frente da maioria. Elas têm as portas abertas para mais de 45 milhões de brasileiros com deficiência – um público enorme, com o qual quase ninguém se comunica. Já pensou como seria ter a atenção de tanta gente de uma vez só? É isso que acontece quando você tem um site acessível. E o melhor é que a via é de mão dupla: as organizações ganham com tudo isso e as pessoas com deficiência podem interagir com elas, aproveitando tudo o que têm a oferecer! 

Mitos sobre acessibilidade digital

“Acessibilidade na Web é só para deficientes visuais”

Pessoas cegas ou com baixa visão são terrivelmente prejudicadas pela falta de acessibilidade na web, mas elas não são as únicas. Pessoas com deficiência auditiva, intelectual ou motora também precisam ser levadas em conta na hora de elaborar um site! Quando você trabalha a acessibilidade na web está atendendo simultaneamente a vários tipos de necessidades. 

“O número de usuários beneficiados com a acessibilidade é relativamente muito pequeno.”

Talvez a maioria das pessoas que você conhece não tenham alguma deficiência, mas isso não quer dizer que são poucas as pessoas com deficiência. Quando você torna o seu site acessível, além de atingir os usuários da internet que não podiam consumir seu conteúdo devido às barreiras à acessibilidade, você também está criando condições para que novas pessoas se animem a usar a internet. 

No fundo, trabalhar a acessibilidade é um exercício de quebrar preconceitos. E nada melhor do que começar com aqueles que a gente tem sobre a própria acessibilidade. Assim é bem mais fácil de trabalhar a inclusão no dia a dia, tanto nos espaços físicos quanto nos virtuais! 

Inclusão Dever de Todos!
 


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.